Alagoas terá promotoria contra a intolerância religiosa

Diante do crescimento da intolerância religiosa, o Ministério Público em Alagoas vai instalar, no prazo de 40 dias, a Promotoris de Repressão ao Preconceito Racial e à Intolerância Religiosa. O pivô da decisão foram as limitações impostas pela Prefeitura de Maceió às comemorações feitas a Iemanjá, em 8 de dezembro, em Pajuçara. De acordo com o promotor Sério Jucá, que está à frente dos estudos, será necessário realizar alterações na estrutura do MP que, além de ser o guardião da sociedade e defensor do povo, tem várias atribuições previstas pelas Constituição Federal, entre elas a de combate à violência e à criminalidade.
Em declaração ao site Cadaminuto, ele afirmou que a futura promotoria seguira modelo semelhante à da Bahia. "O objetivo é repriminir a intolerância. Esse é um tipo de criminalidade e vai ser punida", disse o promotor, nesta quinta-feira, quando os terreiros alagoanos lembravam o centenário da Quebra de Xangô, episódio violento que ocorreu em 2 de fevereiro de 1912.

Comentários

creusa lins disse…
A matéria demonstra que aos poucos os direitos das minorias religiosas serão respeitados. O lamentável, é o fato de ser necessária a criação de um órgão público para controlar atos de intolerância, no nosso País que sempre primou pela aceiação de todos os credos. Só nos resta a expectativa de aguardar quando o DF também se posicionar a respeito desse assunto.

Postagens mais visitadas