27 de setembro: homenagem singela às crianças de Cosme e Damião

Momento da prece pela dirigente espiritual dos Caminheiros, Creusa Lins


Domingo, 27 de setembro. Não é um dia como outro qualquer. Para os umbandistas, é dia de festejar Cosme e Damião, a egrégora espiritual formada por todas as crianças que chegam aos terreiros com as energias da alegria, da inocência, da pureza e da generosidade.

Pela primeira vez, em 49 anos de existência, a tradicional festa do Centro Espírita Caminheiros de Santo Antônio de Pádua não ocorreu. A homenagem às crianças (ibejis ou erês) não teve bolos, balões coloridos e muitas outras guloseimas. Mas os médiuns da casa se uniram para uma belíssima prece. Não faltaram balas e pirulitos. A cesta de oferendas às crianças também estava lá, aos pés das imagens Cosme e Damião.

Em seguida, cada um incorporou seu erê e seus mentores espirituais. Foi um ritual muito singelo, mas profundamente lindo, em que a expressão de fé e de carinho pela falange das crianças estava em cada olhar e em cada gesto.

Há poucos dias, recebemos uma bela mensagem sobre as crianças do plano espiritual. Compartilhamos este texto com você para reflexão e alinhamento com essa falange tão linda e poderosa como é a das crianças:

 

Encerramento pela médium Balbina Rodrigues

INFANTILIZE-SE

 “Certa vez comprei uma linda boneca para minha criança. Escolhi com todo meu carinho: roupinha rosinha e sapatinho. Ela agradeceu pela boneca recebida, mas brincou foi com a caixa — quando ela fez isso, me ensinou que nem tudo o que reluz é ouro e que a beleza está na simplicidade das coisas.

Uma vez, a Rosinha — criança de uma médium da casa - desceu muito triste porque não tinha nada dela. Meu filho pegou uma florzinha do altar e disse que estava dando pra ela de presente. Imediatamente ela sorriu e nem ligou que suas coisas não estavam lá — quando ela fez isso me ensinou a perdoar e a seguir em frente com o coração livre de mágoas.

Em outro caso, Mariazinha da Cachoeira estava sem o arquinho que ela gosta. Prontamente comeu uma fatia de melão, deixou a casca, e fingiu que a casca do melão era seu arquinho — quando ela fez isso me ensinou que quando Deus fecha uma porta ele sempre abre uma janela.

Certa vez, Rutinha, criança de outra médium da casa, desceu no terreiro ansiosa. Fiquei um tempo sem entender o que tanto ela desejava lá fora — até que descobri: uma médium que estava ausente há muito tempo tinha acabado de chegar na assistência. A Rutinha estava chorando de emoção — quando ela fez isso me ensinou que o amor ultrapassa qualquer barreira.

A Aninha tinha o prato recheado de doces que ganhou, quando viu que a outra criança não tinha nada, dividiu todos os seus doces — quando ela fez isso me ensinou que alegria compartilhada vale o dobro.

O gatinho do vizinho quebrou a pata, levamos ao veterinário e o caso era cirúrgico. Ele foi medicado e a veterinária disse que ele nunca mais andaria normalmente. Minha criança " brincando" com ele disse que ele estava curado. Na semana seguinte ele já andava normalmente — quando ela fez isso me ensinou que a fé faz milagres acontecerem.

Tenho muitos relatos do que as crianças já realizaram em minha vida - acredito que na vocês também.

Costumo dizer que a beleza da nossa religião está em ter a sensibilidade para observar os pequenos detalhes — porque até neles há ensinamento.

E meu desejo para setembro é que você se infantilize.

Que desfaça do nosso orgulho bobo que a vida adulta nos empurra constantemente — e que não serve pra nada viu? É perder tempo.

Que acredite mais. Que arrisque mais. Que tenha coragem de começar algo novo...

Que ame de novo, tente de novo, que não se contente com pouco, que saía da zona de conforto e vá em busca da sua felicidade.

E se por ventura algo lhe ferir, que não se esqueça de um grande ensinamento: criança rala o joelho, mas continua brincando rs

 Que sua vida seja doce.
Com doçura!
Mãe Emmanuelle

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Salve São José. Salve Xangô!

A diferença entre incorporação na umbanda e transe de orixá

Salmo 23 na versão da Umbanda