DIA 20 TEM BAZAR DA ASCAP: O QUE É FEITO COM O DINHEIRO?


O Bazar Solidário, promovido mensalmente, é a única fonte de renda da Ação Social Caminheiros de Antônio de Pádua (Ascap). Mais: é a forma de a instituição interagir com a comunidade de Ceilândia. Hoje, além do público local, o bazar vem conquistando pessoas que moram fora do Distrito Federal e percorrem longas distâncias para prestigiar a iniciativa e fazer boas compras. Elas compreendem o trabalho que a Ascap realiza em favor de famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica, a maioria delas moradoras do Setor Habitacional Sol Nascente.

Roupas, calçados, bijuterias e várias outras mercadorias são, em sua grande maioria, doados por amigos e amigas. Além ser ato de desapego, os colaboradores compreendem o significado da expressão “solidariedade é atitude” e partilham o que não precisam. Os produtos são seminovos ou tiveram pouco uso, e estão em excelentes condições de revenda. Os preços são bastante módicos. Ou seja, a Ascap funciona como os brechós existentes no Plano Piloto ou em qualquer outra parte do mundo.

Destino do resultado do bazar

Com a arrecadação do Bazar e as doações dos amigos solidários, a Ascap consegue complementar as cestas básicas de alimentos doados, todos os meses, a várias famílias carente. Muitas vezes, a instituição tem que comprar uma boa parte dos produtos que compõem a cesta, para que todas as famílias sejam contempladas com os mesmos produtos e em igual quantidade. Os alimentos são doações de instituições e de pessoas amigas e que traduzem o amor ao próximo partilhando o que não lhes falta (conheça os nossos Parceiros Sociais).

Hoje, cada cesta pesa 16kg de alimentos, contendo arroz, feijão, farinha, macarrão, biscoito, café, açúcar, lata de sardinha e outros gêneros alimentícios, além de sabão para limpeza doméstica e material de higiene pessoal. Numa parceria com a Feira do Produtor de Ceilândia, a Ascap conseguiu agregar legumes, verduras e frutas. No fim, a cesta chega a ter mais 20kg de alimentos.

Pelo menos uma vez ao mês, dirigentes da Ascap e voluntários vão para a rua compartilhar, em porta de hospital, na rodoviária local ou em pontos de concentração de moradores em situação de rua, um sopão, servido com pão. A diretoria tem consciência de que esse gesto é insuficiente para suprir as muitas necessidades dessas pessoas, mas a Caminhada Solidária é uma forma de expressar carinho e apreço por aqueles que vivem na invisibilidade ante o poder público e, muitas vezes, são rejeitados pela maioria das pessoas. Com a sopa, distribuímos roupas, agasalhos, cobertores, calçados — são peças que não têm como ser comercializada no bazar, mas estão em bom estado para atender aqueles que pouco ou nada têm.

Com os recursos do Bazar Solidário, a Ascap custeia o material necessário ao seu funcionamento (papel, tinta de impressora e outras pequenas despesas) e garante o deslocamento de crianças, jovens e mulheres para os cursos que vem promovendo todos os sábados. A maioria deles não têm dinheiro para se locomover do Sol Nascente até a sede da Ascap, no Setor “O” de Ceilândia. Assim, a Ascap garante as passagens de ida e volta dos beneficiários da cesta de alimentos. Para isso, conta ainda com a venda de jornais velhos, que rendem uma parcela bem modesta da verba necessária para essa ação.o

Agora, que você sabe o que é feito com a renda do Bazar Solidário, não perca mais nenhuma edição dessa atividade promovida pela Ascap. O resultado da sua compra terá uma destinação nobre em benefício daqueles que pouco ou nada têm. Excepcionalmente, o Bazar ocorrerá no próximo dia 20. Uma das grandes forças do Bazar são os voluntários, que distribuem carinho e fazem as edições um dia de alegria para os clientes e visitantes.

Comentários

Postagens mais visitadas