PARCEIRO NA SOLIDARIEDADE

PARCEIRO NA SOLIDARIEDADE
Campanha para o Natal — clique na imagem

ASCAP: Altruísmo e decência na miséria

A partir da esquerda: Valéria, Andrea Bequiman e Aline, com o bebê no colo.
Aline vive em condições precárias e deseja vender doce para aumentar a renda familiar


“GANHO UMA CESTA básica e mais R$ 150 do Bolsa Família. Não é preciso fazer o meu cadastro. Deem a cesta para outra pessoa que esteja passando por mais dificuldades”, sugeriu  Rafaela, 24 anos, mãe de cinco filhos — o primeiro deles ela deu à luz aos 14 anos. Nascida em Ceilândia, ela é mais uma entre milhares de outras pessoas que vivem no Setor Habitacional Sol Nascente, parte da maior favela da América Latina quando agregado ao Setor Habitacional Pôr do Sol.  A altivez, a e o altruísmo de Rafaela chamaram a atenção dos novos diretores da Ação Social Caminheiros de Antônio de Pádua que, na manhã de sábado (30/9), foram visitar as poucas famílias (poucas ainda) que recebem cesta básica da instituição.

Diante das limitações financeiras da Ascap, a visita objetivou conhecer as famílias, o que fazem para ter renda, como vivem, o que desejam para o futuro (seus sonhos) e como é possível contribuir para que tenham meios de autossustentação, ou seja, se emancipem seja da iniciativa da Ascap, seja dos programas governamentais, como os auxílios ínfimos concedidos pelo Estado.

As condições de moradia de Rafaela e de muitas outras famílias da Quadra 209, Trecho 2 do Sol Nascente, são extremamente precárias. Quem conseguiu levantar paredes de alvenaria está recebendo ajuda do governo para “reformar” o imóvel. Aqueles que vivem em barraco, não tem a mesma sorte — e eles não são poucos. Vários tiveram que deixar o emprego para permanecerem diuturnamente no lote e, assim, comprovarem que mereciam conquistar aquele espaço de 120m² para tornar real o sonho de ter uma casa.

O local, diante da miséria inconcebível em que vivem milhares de famílias, recebe visitas de várias instituições caritativas. Nada é suficiente. Tudo que chega é um socorro imediato para aplacar as mínimas e básicas necessidades das pessoas. As histórias se confundem, na maioria das vezes, com um pesadelo. 

As mulheres que tiveram quatro, cinco, seis filhos e perderam o companheiro, por abandono, para a criminalidade ou para morte, vivem com dificuldade ainda mais extrema. Com quem deixar os filhos para buscar trabalho? Faltam creches. Até a unidade de saúde mais próxima fica a quilômetros de distância. Rafaela tem habilidades para elevar a renda familiar. Ela diz que sabe fazer trança de raiz, escova, chapinha, alisamento.

Rafaela tem competência para trabalhar em um salão de beleza, não no Sol Nascente, onde a renda das famílias é insuficiente até para café com pão da manhã. Ela teria de buscar trabalho em outro local, onde as pessoas têm condições de destinar parte dos ganhos aos cuidados com a aparência. Faltam-lhe meios para trabalhar, como escovas, secador, pentes e outros apetrechos necessários para o exercício profissão. Doações são bem-vindas.

A irmã de Rafaela, Aline, não tem a mesma habilidade. Pior: tem a saúde frágil. Mãe de cinco filhos, separada do companheiro, Aline cuida de dois. Três são criados pelo pai, em outra cidade do Distrito Federal. Ainda com uma bebê de poucos meses no colo, ela diz ter interesse em vender doces, como alternativa de renda. Hoje, vive com R$ 160 mensais do Bolsa Família e conta com a cesta básica fornecida pela Ascap. 

Até agora, a chances de Aline ter a casa reformada são remotas. Ela vive em pequeno cômodo construído de madeira reutilizada. As condições são as piores possíveis. Devido aos problemas de saúde que a obrigou ser hospitalizada, passou algumas semanas longe de casa, tempo suficiente para que lhe furtassem o botijão de gás. “Faço comida no fogão de lenha”, diz ela, que não vê perspectiva de adquirir outro botijão.

A manhã do sábado foi insuficiente para visitar todas as famílias cadastradas na Ascap. Mas o primeiro contato da nova diretoria da instituição foi singular ante a realidade em que todas vivem. Mais que aprendizado, foi um momento que inspirou reflexões sobre a imensa responsabilidade que todos têm com a entidade e, acima de tudo, com o próximo.

Se ainda não é possível alavancar os recursos materiais e financeiros para as transformações que a realidade impõe, as cenas nos fortalecem para seguir adiante e lutar para alcançar os objetivos da Ascap, braço social do Centro Espírita Caminheiros de Santo Antônio de Pádua. Aos voluntários, a Ascap expressa a sua mais pura e singela gratidão, na esperança de sempre poder contar com todos em suas atividades.

Participantes da atividade:
Andrea Bequiman, presidente da Ascap
Matheus do Nascimento Mendes, diretor financeiro da Ascap
Wendley Borges Rios, diretor de eventos da Ascap
Rosane Andrade Garcia, secretária da Ascap
Wânia Santos Pontes, titular do ConselhoFiscal da Ascap
Sandra Rita Oliveira Da Silva Pontes, suplente do Conselho Fiscal da Ascap
Voluntários: Carlos e Valéria 


Para doações: 
Enviar e-mail para ascap.caminheiros@gmail. com.
Buscamos em qualquer lugar do Distrito Federal.

Comentários

PARCEIROS NA SOLIDARIEDADE

PARCEIROS NA SOLIDARIEDADE
clique na imagem para abrir o link

Postagens mais visitadas