Salve Santo Antônio de Pádua


O 13 DE JUNHO é uma data especial para os Caminheiros de Santo Antônio de Pádua.  A data é consagrada ao padroeiro da casa, o santo das causas e coisas impossíveis: Santo Antônio de Pádua ou Fernando Antônio de Bulhões (nome de nascença), nascido em Lisboa, Portugal, em 15 de agosto de 1195. Nascido em uma família nobre e rica, Antônio era filho único de Martinho de Bulhões, oficial do exército de dom Afonso e de Tereza Taveira. Neste ano, os Caminheiros antecipam as homenagens a esse magnífico ser de luz, a quem invocamos em todos os momentos em todos os trabalhos espirituais.

Aos 19 anos, Antônio entrou para o Mosteiro de São Vicente dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho, mesmo contra a vontade de seu pai. Ali, no mosteiro, viveu por dois anos. Com uma grande biblioteca à sua disposição, Antônio avançou nos estudos e nas orações. Transferido para Coimbra, um dos mais importantes centros de estudos de Portugal, lá ficou por 10 anos. Até hoje, Coimbra tem enorme prestígio e abriga uma das mais famosas e reconhecidas universidades de planeta: a Universidade de Coimbra.

Em Coimbra, foi ordenado sacerdote. O dom da oratória de Antônio se tornou cada vez mais expressivo e conquistou notoriedade pelo seu grande poder de pregação. Ainda em Coimbra, ele conheceu os freis franciscanos. Entusiasmado pelo fervor com que eles viviam o Evangelho, não demorou muito para se tornar Frei Antônio. Assim, ele se mudou para o mosteiro de São Francisco de Assis. São Francisco era reconhecido pela sua dedicação e atuação em defesa dos animais e da natureza.

Já como frei, Antônio pediu para o Marrocos, na região de Magrebe, no norte da África. Queria pregar o evangelho e os Franciscanos permitem. Mas, no meio do caminho, Frei Antônio ficou muito doente e se viu forçado a retornar para Portugal. Na viagem, o barco foi desviado para a Itália, e ele aportou na Sicília. Na cidade italiana, ele se deparou com um grande encontro de mais de 5 mil frades franciscanos, chamado de Capítulo das Esteiras, onde conheceu São Francisco de Assis.

Após conhecer São Francisco, Frei Antônio passou 15 meses como um eremita no Monte Paolo. São Francisco enxerga os dons que Deus deu a ele, chama-o de Frei Antônio, meu bispo e o encarrega da formação teológica dos irmãos do Mosteiro. No capítulo geral da ordem dos franciscanos ele é enviado a Roma para tratar de assuntos da ordem com o papa Gregório IX, que fica impressionado com sua inteligência e eloquência e o chama de Arca do Testamento.

Tinha uma força irresistível com as palavras e São Francisco o nomeou como o primeiro leitor de Teologia da Ordem. Em seguida, mandou-o estudar teologia para ensinar seus alunos e pregar ainda melhor. Juntavam-se, às vezes, mais de 30 mil pessoas para ouvi-lo pregar, e muitos milagres aconteciam. Após a morte de São Francisco, ele foi enviado a Roma para apresentar ao papa a Regra da Ordem de São Francisco.

Protetor das coisas perdidas. Protetor dos casamentos. Protetor dos pobres. É o Santo dos milagres. Fez muitos ainda em vida. Durante suas pregações nas praças e igrejas, muitos cegos, surdos, coxos e muitos doentes ficavam curados. Redigiu os sermões, tratados sobre a quaresma e os evangelhos, que estão impressos em dois grandes volumes de sua obra.
  
Santo Antônio desencarnou em Pádua, na Itália, em 13 de junho de 1231, com 36 anos. Por isso ele é conhecido também como Santo Antônio de Pádua. Antes de falecer nas portas de Pádua, Santo Antônio teria dito: “Oh! Virgem gloriosa que estais acima das estrelas. E completou, estou vendo o meu Senhor”. Em seguida, morreu, ou melhor, renasceu no plano espiritual.


Santo Antônio e os cultos de matriz africana

O 13 de junho é uma data, também, consagrada ao orixá Exu, nos cultos de matriz africana e também na Umbanda. Em razão da diversidade cultural e de práticas religiosas, Santo Antônio, dependendo da região, ora é sincretizado com Exu, ora com Ogum e ora com Oxóssi. O frade, ou frei, é, ainda, conhecido como Santo Antônio de Batalha, o Santo de Lisboa e de Pemba. Na Bahia, Santo Antônio é sincretizado com Ogum.

Para os Caminheiros, Santo Antônio de Pádua é o santo intercessor dos nossos mais diversos apelos por bênçãos ou graças ante Zambi (ou Deus criador do universo). O centro não faz nenhuma relação de Santo Antônio com os orixás. Para os caminheiros, Ogum é sincretizado com São Jorge. E Antônio de Pádua é o nosso grande patrono, que, na Espiritualidade Maior, tem sido, ao longo da existência da casa, o nosso protetor.

Programação:
Domingo, 11 de junho
19h30 — Início da Prece em homenagem a Santo Antônio de Pádua e distribuição de pães
Em seguida: lanche de confraternização
Local: EQNO 1/3, Lote A, Área Especial do Setor O de Ceilândia - DF


Comentários

Postagens mais visitadas