Pastor e discípulo são condenados por intolerância religiosa

Jornal O Dia

Rio - Um pastor e um discípulo da Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo foram condenados pela juíza Ana Luiza Mayon Nogueira, da 20ª Vara Criminal da Capital, por difundir, por meio da Internet, idéias de discriminação religiosa, ofendendo seguidores de outras religiões.

Tupirani da Hora Lores, o pastor, e Afonso Henrique Alves Lobato, o discípulo, pregavam através de blogs o fim da igreja Assembleia de Deus, além de praticarem intolerância religiosa contra judeus e afirmarem que as outras religiões são “seguidoras do diabo” e “adoradoras do demônio”. Eles também associavam a figura de pais de santo a homossexuais, menosprezando ambos.

De acordo com a sentença, em seu interrogatório, Afonso Henrique confirmou que sua religião prega que, “como discípulo de Jesus Cristo, deve acusar todos os outros conceitos em geral que são contrários ao Evangelho de Jesus Cristo (...), que não existe pai de santo heterossexual, pois todos são homossexuais; que homossexualismo é possessão demoníaca; que uma pessoa que está possuída pelo demônio não merece confiança; e que discrimina todas as religiões”. Ainda de acordo com a sentença, em nenhum momento os dois tentaram justificar suas condutas.

Tupirani foi condenado a duas penas restritivas de direito: prestação de serviço à comunidade e pagamento de dez salários mínimos em favor de uma entidade beneficente. Afonso Henrique foi condenado à prestação de serviço e limitação de fim de semana.

Um dos mais atacados por Tupirani foi o deputado Átila Nunes, autor da denúncia ao Ministério Público que resultou na condenação do pastor. Ele usou repetidamente vezes a internet para atacar Átila Nunes, não poupando ofensas pelo fato do parlamentar defender umbandistas e candomblecistas.

Átila Nunes lembra que o vídeo, já retirado da internet, mostrava um dos fanáticos que recebeu lavagem cerebral do "pastor" Tupirani, dirigente da chamada Ministério Geração Jesus Cristo, cujos seguidores que invadiram e depredaram o Terreiro Cruz de Oxalá no Catete no Rio de Janeiro. O deputado, conhecido pelas suas posições em defesa dos cultos afros, disse que melhor caminho para reagir às agressões físicas e verbais é a Justiça. "Reagir com a mesma violencia igualará os nossos irmãos de fé no mesmo nivel dos fanáticos religiosos"- afirmou.

Comentários

Postagens mais visitadas