Intolerância religiosa

 
 Por Rubens Saraceni

Nós, os praticantese os seguidoresdos cultos afro-brasileiros, temos sido criticados de forma agressiva e intolerante desde que a Umbanda foi fundada e, se hoje são os neopentecostaisque se destacam, antes eram os católicos que nos taxavam de “pagãos”, de atrasados etc.
Tirando os excessos cometidos por pessoas despreparadas, ou mal preparadas para conduzirem as nossas “giras”, os médiuns umbandistas vêm dando o melhor de si para auxiliarem seus semelhantes com as mais diversas dificuldades, destacando-se entre elas as de fundo espiritual.

Não foram e não são poucas as pessoas que abdicaram das comodidades da vida profana e assumiram compromissos pelo resto de suas vidas com Deus e suas divindades só para poderem desenvolver suas faculdades mediúnicas, ordená-las e doutrinarem-se, para poderem ajudar o próximo, muitos também com problemas mediúnicos gravíssimos.

Mas, este imenso e luminoso trabalho de caridade espiritual não só não foi reconhecido, como serviu para que os inimigos e os adversários da Umbanda (todos seguidores de outras religiões) sempre procurassem qualquer erro ou falha de um dos nossos para negar-nos qualquer crédito pelo auxílio prestado pela Umbanda aos necessitados. E, de erro em erro, de falha em falha, de excesso em excesso, cometidos por uma minoria, mas nunca esquecidos ou relevados por nossos inimigos e adversários religiosos, a Umbanda (e todos os outros cultos afros brasileiros) começaram a ser associados à prática do mal. Associação esta feita por pessoas inteligentíssimas que dominam a neurolinguística e a lavagem cerebral das pessoas necessitadas do auxílio espiritual que a nossa querida Umbanda pode dar-lhes sem nada lhes exigir em troca.
 
Os nossos inimigos e nossos adversários,só viram falhas e erros e só têm boca para criticar e ofender-nos e para vilipendiarem a Umbanda e suas práticas espiritualistas. Nunca elogiaram nossos acertos e nosso trabalho de caridade espiritual. Criou-se um tal estado de intolerância que os adeptos mais exaltados do néo pentecostalismo acham-se no direito de perseguirem os umbandistas até nos ambientes de trabalho profissional, fazendo surgir no Brasil de todos os povos os ranços da intolerância inquisitorial e do nazi fascismo.
– Pessoas são desclassificadas para empregos ou são dispensadas deles assim que os empregadores e os “chefes” (já salvos) ficam sabendo que são umbandistas.
– Crianças são segregadas em escolas se assumirem que são umbandistas.
– Imóveis não são alugados se for para abrir neles um Centro de Umbanda.
– Casamentos são desfeitos se um dos cônjuges tiver ou quiser desenvolver sua mediunidade.
– Namoros com jovens umbandistas nem pensar, na cabeça dos “já salvos”.
– Morar no mesmo quintal ou prédio com umbandistas, que horror!
São tantas as intolerâncias que, ou se oculta ou nega-se a crença em Olorum e nos Sagrados Orixás para poder viver em paz e sem ser excluído, segregado e ofendido continuamente só porque são médiuns.
 
Hoje, vivemos uma situação semelhante à do povo judeu na Europa pré-nazista, só nos faltando um “Hitler” néo pentecostal assumir o poder para que aqui se comece a construir campos de concentração para que esses loucos e desvairados nos aprisionem neles e, tal como Hitler fez com os judeus, enviem-nos para câmaras de gás ou, tal como fizeram os inquisidores, queimem-nos nas suas “fogueiras santas” que, de santas não têm nada.
Lamentavelmente, esse é o quadro que nos chega continuamente através de relatos de irmãos umbandistas.
Mais do que nunca, é hora de darmos provas de nossa fé e, tal como Daniel enfrentou os leões com sua fé e sua submissão a Jeová, temos que enfrentar as “hienas famintas de poder” com nossa fé e submissão a Olorum e aos Sagrados Orixás.

Não é hora de nos omitirmos ou de recuarmos em nossa fé, e sim, é hora de darmos nossa prova de fé. Quanto às “hienas famintas de poder”, não se preocupem com elas, pois, tal como os sanguinários leões mesopotâmicos, morrerão e irão para o inferno. Tudo é questão de tempo, meus irmãos!
 
Fonte:Jornalnacionaldaumbanda.com.br 

Comentários

creusa disse…
O relato dos fatos não deixa dúvidas que precisamos mudar essa realidade. Não podemos desistir ou nos acovardar diante do poderio financeiro dessas pessoas conseguido graças ao uso do nome de Deus em vão para explorar a fé de pessoas desesperadas. Mas eu me pergunto: Como mudar de forma objetiva essa situação? Talvez o caminho fôsse elegermos um representante que lutasse pelos nossos direitos. Deixar de ter vergonha de se apresentar como umbandista. Estudar as Leis que nos amparam para que possamos nos defender das injúrias e persseguições. Algo precisa ser feito efetivamente.

Postagens mais visitadas