Pesquisa mapeia a intolerância religiosa no Brasil

Episódios criminosos de intolerância religiosa registrados nos últimos 10 anos foram sistematizados pelo Mapa da Intolerância Religiosa Violação ao Direito de Culto no Brasil, lançado na última semana, na Bahia. O documento inédito sistematiza a nível nacional os casos de desrespeito à liberdade de culto cometidos contra religiosos de matriz africana, muçulmanos, judeus, católicos, entre outros grupos religiosos.

A intolerância religiosa é um atentado à democracia e fere gravemente a pluralidade que marca a civilização nacional. Neste sentido, é importante divulgar manifestações racistas a fim de que providências sejam tomadas efetivamente, afirma o diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-brasileiro da Fundação Cultural Palmares, Alexandro Reis.

A liberdade de culto é assegurada pela Constituição Brasileira, no entanto, segundo Marcio Alexandre Gualberto, autor do trabalho, é visível que exista uma vítima preferencial de intolerância religiosa em nosso país. Essa vítima é o praticante das religiões de matriz africana, como o Candomblé e a Umbanda, sendo, portanto, estes os mais frequentes e, quase sempre, os mais graves casos de extremismo religioso, afirma.

De acordo com o autor, a proposta do mapa não é apenas apresentar denúncias, mas mostrar o quanto se tem avançado no combate à intolerância religiosa e a importância do esforço de organizações e de movimentos sociais e religiosos que se mobilizam, se articulam e pressionam o poder público para pôr um fim à intolerância religiosa, seja produzindo documentos, ou até mesmo chamando para o diálogo outras tradições religiosas para somar força.

O objetivo é fazer do mapa um projeto permanente que transforme a pesquisa em um site que receba denúncias de todo o país, que aponte os estados onde ocorrem mais casos e que encaminhe as denúncias aos órgãos respectivos de cada estado ou município para que possam dar solução às intolerâncias sofridas.

DIA NACIONAL DE COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

No ano 2000, em Salvador, um ato de intolerância religiosa ocasionou a morte da líder de matriz africana Mãe Gilda, que foi vítima de um enfarto após ver sua foto publicada em um jornal de grande circulação acompanhada de um texto depreciativo. O triste episódio marcou o dia 21 de janeiro como uma data importante para estimular a sociedade a dialogar sobre o assunto e construir mecanismos de reconhecimento e valorização para que essas religiões possam ser devidamente protegidas e respeitadas.

A yalorixá Jaciara de Oxum, filha de Mãe Gilda, acredita que somente a força da educação, pelo ensino da História da África e da Cultura Afro-Brasileira (lei 10.639/2003) nas escolas, pode combater a falta de habilidade ou de vontade de aceitar a crença do outro. Sacerdotisa do terreiro Axé Abassá de Ogum, a yalorixá afirma que a divulgação do mapa dará maior visibilidade para a importância dos cultos religiosos afro-brasileiros. Precisamos mudar os rumos da sociedade e promover um dialogo de paz entre as religiões, desabafa.

LUTA PELA IGUALDADE

Mesmo diante de tantos conflitos, iniciativas sociais de defesa à liberdade de expressão e à diversidade de crenças continuam sendo realizadas por agentes governamentais e sociedade. A Fundação Cultural Palmares lançou um selo e apoia outras duas obras que abordam os cultos religiosos de matriz africana.

SELO COMEMORATIVO

A Fundação Cultural Palmares, em comemoração ao Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes, criou um selo para difundir o compromisso mundial de lutar contra o racismo por meio de ações que garantam o direito do livre exercício de crença da população afrodescendente e pela inserção de negros e negras em todos os espaços de cidadania.

RELIGIOSIDADE SANTEIROS DA BAHIA

Livro que reúne 23 artistas populares que se dedicam à produção de imagens de santos, fazendo um panorama do contexto cultural baiano. Trata-se de um trabalho que transita entre a arte e a devoção, no encontro entre duas das principais referências religiosas de nossa história: o catolicismo lusitano e o candomblé africano. Os autores/organizadores Flávia Martins de Albuquerque e Rogério Luz retratam a feitura artesanal e as diferentes funções que as obras adquirem.

CAVALO DE SANTO

A gaúcha Mirian Fichtner lançará, na cidade do Rio de Janeiro, com o apoio da Fundação Palmares, o livro Cavalo de Santo Religiões afro-gaúchas que apresenta em 153 fotos os ritos das religiões africanistas da região do sul do Brasil registradas entre 2006 e 2010. A obra tem por objetivo incentivar a reflexão sobre a postura diante das diferenças culturais, étnicas e religiosas.

Fonte: Fundação Cultural Palmares

Comentários

Postagens mais visitadas