Ser umbandista de coração

  



Muitas pessoas se dizem umbandistas, batem no peito, orgulhosamente dizendo a si mesmo que a Umbanda é a religião que toca e comanda seu coração. Mas ai que está o porém e a pergunta: o que é ser umbandista?

Uma das primeiras coisas que devemos entender é que nunca devemos ter vergonha em demonstrar, não só a nós mesmos, mas a todos nossos semelhantes que amamos incondicionalmente essa religião tão maravilhosa, tão bela, mas tão mal compreendida.

É inaceitável que um umbandista tenha vergonha de expressar seu amor pela religião, ou que tenha vergonha de ser identificado como um irmão de terreiro. Nós umbandistas de coração devemos nos dar acima de tudo a caridade de um trabalho espiritual.Devemos saber e entender que uma casa, um terreiro, um centro de Umbanda é um local espiritual, e devemos entender que esses locais representam a bela Umbanda

Devemos crer que temos que respeitar para sermos respeitados, ouvir para que sejamos ouvidos, é sabermos amar para que sejamos amados, e principalmente saber darmos um pouco de nós para que assim recebamos a luz divina de Deus dentro de nosso coração.

Devemos ter a percepção que a Umbanda não faz e nunca fez milagres, e termos a compreensão de quem faz é Deus, e esses milagres só quem os recebe são aqueles que realmente os mereceram.Temos que ter a grande compreensão de que uma casa de Umbanda não é comércio de bençãos, não vende e nem dá salvação, porém oferece a ajuda para aquele que deseja encontrar um caminho de luz rumo a Deus.

O umbandista é aquele que respeita a casa que se encontra, o dirigente espiritual e a própria religião de Umbanda como um todo. O umbandista é aquele que não é dominado pela vaidade, pelo orgulho, pelo ódio, pela prepotência, pela promiscuidade. É aquele que sabe tirar suas dúvidas com seu Zelador, sabe conversar expondo tudo aquilo que deseja entender.

O umbandista deve saber que nem sempre estamos preparados, que é necessário muita dedicação, tempo e boa vontade para os trabalhos de Umbanda. Devemos entrar no terreiro sem ter hora para sairmos, ou sair apenas após o último consulente ter sido atendido.

O umbandista sabe que se deve dar liberdade aos Guias que se utilizem, quando necessário, de bebidas e fumo, mesmo se o médium não fume ou beba, e devemos confiar sempre que nossas amadas Entidades de Luz, mesmo se utilizando desses artefatos, nos deixem bem ao término das sessões.

Ser umbandista é entregar a coroa a nossos Orixás, para que assim ele me revigore com sua força, deixando-me forte o suficiente para que eu possa viver meu dia em uma luta constante em benefício dos que precisam de auxílio espiritual.

Ser umbandista é não ter medo de sofrer preconceitos por não negar o que sou, e ser o que sou com dignidade e com amor. É sofrer por não negar o que sou e ser o que sou com dignidade, com amor e muita dedicação.

 O umbandista é aquele que ama e defende sua religião, mesmo sendo chamado de louco, atrasado, ignorante, feiticeiro, e mesmo assim dedica-lhe todo carinho e amor que ela merece.

O umbandista é aquele que mesmo atacado, ofendido fisicamente, espiritualmente ou moralmente pelos hipócritas e falsos religiosos, continua mesmo assim amando a linda Umbanda.

É ser chamado de adorador das trevas, do diabo e do satanás, chamado também de servo dos encostos pelas bocas sujas e podres dos vendedores de bençãos, e mesmo assim erguer a cabeça, sorrir e seguir em frente com dignidade.

O umbandista deve ser umbandista, sempre pedindo ao Pai Maior que ele não esteja apenas umbandista. É acreditar que, mesmo nos piores momentos da vida, com as maiores mazelas, com as maiores decepções, mesmo estando em épocas ruins espiritualmente ou materialmente, que os Orixás e as Entidades de Luz, mesmo que não possam nos tirar daquela situação por termos que passar por aquilo, estarão ao nosso lado em todos os momentos nos dando ânimo, força e coragem, pois para sermos verdadeiramente umbandistas, devemos crer nessas divindades sublimes, pois elas são a representatividade da pura essência de Deus, nosso amado Pai Maior.

Ser umbandista é vestir o branco sem vaidade.  É não ter orgulho nem vaidade quando se recebe um agradecimento de alguém que você nunca viu, simplesmente porque uma de suas entidades de Luz o ajudou.

É colocar suas guias de trabalho e sentir o peso da responsabilidade, onde muitos sentem apenas a vaidade e a ostentação. Ser umbandista é se entregar definitivamente a caridade, chorar, sorrir, respirar, andar dentro de uma religião sem desejar nada em troca.

Ser umbandista é entender que não se deve pedir em causa própria, ter vergonha de pedir as Entidades de Luz por si mesmo, e não ter vergonha de pedir por um irmão necessitado.  É estar sempre pronto para servir à espiritualidade e auxiliar os consulentes, seja nos terreiros, nos templos, nas casas, nas macaias, nos caminhos, ou em qualquer lugar que haja a necessidade de nosso trabalho.

É saber que ao estar incorporado não é você a estrela do terreiro, é respeitar cada momento da entidade de luz, seus gestos, seus atos, suas palavras. É sentir a força do som dos atabaques, sua vibração, sua importância, sua ação dentro da gira e no trabalho espiritual.

Ser umbandista é sentir a satisfação de ver um consulente entrar em um terreiro chorando em desespero, e vê-lo sair mais tarde da gira sorrindo.  É ter esperança que todos os umbandistas encontrarão a receita mágica do respeito mútuo.

Ser umbandista é ser fiel a Umbanda, mesmo que outros digam que o que você faz, sua prática, sua fé, sua doutrina, seu acreditar, sua dedicação, seu suor e suas lágrimas, não sejam em prol de uma religião. É saber que se deve ter atitude, que só palavras não bastam, se deve falar e fazer, pensar e ser, ser e nunca estar. 

É saber que a Umbanda não vê raça, não vê cor, não vê status social, não vê poderes econômicos, não vê credo. Ela só vê caridade, ajuda, luta, justiça, cura, vê os problemas, as necessidades e a ajuda para solucionar as causas dificultosas daqueles que a procura.

Ser umbandista é entender que a Umbanda é livre, que não tem dono, não tem bispos, não tem papa, mas está em nossas vidas para nos auxiliar e a todos que a procuram.

É saber que não é você que escolheu a Umbanda, e sim que foi a Umbanda quem escolheu você. Ser de Umbanda é amar com todas as forças essa maravilhosa religião, abençoada pelas Entidades de Luz, pelos Orixás e por Deus. Então fale a todos que você é umbandista, mostre seu amor e sua dedicação aos Orixás e as entidades de luz.

A Umbanda é linda!

Fonte: Carlos de Ogum, #Povo da floresta

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Salve São José. Salve Xangô!

A diferença entre incorporação na umbanda e transe de orixá

Salmo 23 na versão da Umbanda