Caminheiros contornam a crise e inovam o diálogo com sagrado

Por meio da prece, diálogo permanente com o sagrado da Umbanda

Um bichinho invisível aos nossos olhos colocou o mundo de pernas pro ar em 2020. Obrigou os humanos a mudarem de comportamento. Quem o desafiou se deu muito mal. Milhares sucumbiram ante a sua força. A ciência e a medicina correram contra o tempo, para produzir uma vacina e conter o animalzinho. Ainda não está tudo resolvido, mas grandes passos foram dados. Um desafio inédito para os especialistas. Há muito a fazer para amenizar a angústia e o medo que dominam o planeta.

O Centro Espírita Caminheiros de Santo Antônio de Pádua, completará 50 anos em agosto próximo e tem muito a agradecer a Deus e à Espiritualidade. Não sucumbimos diante da praga do novo coronavírus. Alguns médiuns enfrentaram a covid-19 e venceram a batalha. Louvado seja Deus! Os trabalhos espirituais do centro foram totalmente alterados. Outros perderam familiares e amigos e, aqui, expressamos o nossas condolências, rogando a Zambi que sejam banhados pelo consolo da espiritualidade.

A realidade catastrófica impôs mudanças. Os ritos e o atendimento ao público foram repensados. A fé em Zambi não mudou. Foi fortalecida. Aprendemos, em tempo recorde, a lidar com a tecnologia para nos encontrar, como fazíamos antes.

Durante o ano que passou, os estudos doutrinários da Umbanda, que antes ocorriam, uma hora antes do início do desenvolvimento mediúnico, passaram a ser por vídeo conferência. Vários livros foram lidos e debatidos, ampliando o conhecimento dos participantes sobre a prática umbandista. Estávamos unidos, mesmo a quilômetros de distância. Nas segundas-feiras, dedicadas à sessão de desobsessão, mais ensinamentos e muito aprendizado.

Debates maravilhosos trouxeram à tona práticas enriquecedoras para as diferentes modalidades de atendimento espiritual dos Caminheiros, desde da Umbanda, passando pela desobsessão até a Fonte das Rosas Brancas. Um acúmulo positivo que, queiramos ou não, foi propiciado pelo distanciamento social. Mais: aprendemos, na prática, que é possível tirar proveito e obter aprendizado na adversidade.

Os dias tradicionais de sessões espirituais foram substituídos por preces, celebradas pelos médiuns que residem próximo ao centro. Preces para expressar a nossa fé e rogar a Zambi e aos orixás pela saúde de todos: médiuns, frequentadores e simpatizantes. Enfim, para que a Espiritualidade inspirasse os especialistas, dedicados a buscar uma solução para a vida humana no planeta. Afinal, todas as vidas importam. Os irmãos e irmãs que retornaram ao mundo espiritual não foram esquecidos. As preces aos desencarnados foi garantida aos domingos.

Depois de nove meses de quarentena, o centro reabriu — não como antes. Mas inovou a forma de dar passes espirituais aos que bateram à porta, com base nas regras de proteção. Voltamos a ver pessoas sentadas nos bancos da assistência, em pontos sinalizados para manter distância uma das outras. Todas de máscara, álcool em gel para a higienização das mãos, distanciamento prudencial, termômetro para mensurar a temperatura corporal... Seguiu-se à risca a orientação dos especialistas.

No terreiro as regras foram respeitadas. A sinalização no assoalho indica onde cada um deveria ficar. Os mentores espirituais, plenos de sabedoria, aceitaram a mudança e deram passes em todos os que chegaram à casa. Uma cena absolutamente incomum, mas com uma energia fantástica — verdadeiro bálsamo às aflições —, sentida por muitos. Algo de arrepiar!

A alegria do reencontro deu novo clima aos Caminheiros. Pequenos e lentos passos nos conduziam ao que, antes, entendíamos como normal. No ano que começa, estamos, como todos estão, aguardando o remédio que será escudo contra o inimigo invisível. Supomos que o velho normal não mais existirá. Construímos novas maneiras de estarmos unidos, de expressar fé e gratidão a Zambi e à espiritualidade.

Mais do que nunca sentimos que as energias etéreas transitam sem obstáculo e nos renovam a cada instante. Não há distâncias intransponíveis nem barreiras que nos impeçam de louvar os orixás e todas a belas forças que regem o universo. Somos energias que interagem permanentemente. A pandemia nos demonstrou isso. Uma lição que ficará para sempre na nossa história. Fomos e somos vitoriosos, pois Zambi e as forças da espiritualidade estiveram conosco e nos inspiraram. Por tudo isso, só uma palavra resume o sentimento coletivo: Gratidão.

Comentários

salvesalve disse…
Boa Tarde, parabéns Rosane, belissima me sagem. Gratidão sempre.
Monica T Maia disse…
Que texto mais lindo! Emocionante!
Salve os Caminheiros!
Salve Zambi!

Unknown disse…
Parabéns aos Caminheiros pela inovação.

Postagens mais visitadas deste blog

Salve São José. Salve Xangô!

Salmo 23 na versão da Umbanda

A diferença entre incorporação na umbanda e transe de orixá