Berço da Umbanda pode ser salvo pela Prefeitura de São Gonçalo

A decisão está nas mãos da prefeita Aparecida Panisset (foto), que é evangélica. Basta que ela assine um decreto de desapropriação do imóvel para fins culturais


Thamyres Dias
Jornal Extra on-line

A salvação da casa que testemunhou o nascimento da umbanda, em Neves, São Gonçalo, está na mão da prefeita da cidade, Aparecida Panisset. Com o prazo apertado — o imóvel centenário deve ser demolido ainda esta semana, conforme o EXTRA noticiou anteontem — os institutos federal e estadual de patrimônio histórico temem não conseguir agir a tempo de proteger o local.

Um decreto da prefeita — que é evangélica —, desapropriando o imóvel para fins culturais, resolveria o impasse. Procurada desde sexta-feira, porém, ela não ainda não se manifestou sobre o assunto.
— Um imóvel com essa importância histórica tem que ser desapropriado. Ela é evangélica, mas uma pessoa pública tem que estar acima da religião — reivindicou Ivanir dos Santos, interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR).

De acordo com o arquiteto e urbanista Augusto Ivan Freitas Pinheiro, outros mecanismos para tentar evitar a demolição da antiga casa de Zélio Fernandino de Moraes, fundador da única religião 100% brasileira,seriam mais lentos.
— O Ministério Público pode embargar a obra, mas dependeria de uma decisão judicial. Já a prefeitura pode fazer isso quase que imediatamente — explicou.

Embora católico praticante, o cantor Martinho da Vila ficou indignado ao saber que a primeira sede da Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade seria demolida.
— Acho um absurdo tentarem destruir uma coisa que é patrimônio nacional, patrimônio do Rio. Com certeza, se fosse outra religião nem ameaçavam derrubar. Faço um apelo pela preservação da casa — pediu o sambista.

Assim como Martinho, outras pessoas decidiram se manifestar à favor do tombamento da antiga casa de Zélio, em São Gonçalo. Até as 21h de ontem, o EXTRA havia recebido 68 mensagens com este assunto. Os remetentes eram desde umbandistas do Rio, Minas, Mato Grosso e Rio Grande do Sul até hare krishnas de Brasília, passando por pessoas do México, de Portugal e do Japão.

Comentários

Postagens mais visitadas